Casos Práticos de Consolidação de Contas

Carlos António Rosa Lopes

 

1ª Edição

Formato 21 x 29,7 cm

ISBN: 978-972-618-883-4

EAN: 9789726188834

Depósito legal: 422489/17

312 páginas

Ano de publicação: 2017

 

P.V.P.: 21,90 euros          

 

Este livro, que resulta da experiência profissional e de ensino do autor no âmbito das operações de consolidação de contas, está estruturado em três partes: Fusões e cisões; Métodos de contabilização das participações financeira e Consolidação de contas. A consolidação das demonstrações financeiras consiste em apresentar ao nível do grupo económico demonstrações financeiras como se de uma única entidade se trate-se. Este processo, que numa primeira abordagem poderá parecer simples, uma vez que aparentemente tratar-se-á apenas de agregar diversas rubricas das demonstrações financeiras, apresenta diversas particularidades que dificultam o processo, nomeadamente quando existem participações recíprocas, cruzadas ou sub-filiais.

Nas últimas duas décadas, a nível mundial, verificaram-se profundas alterações na regulamentação contabilística das concentrações de empresas. No âmbito da consolidação de contas, em 2016, foi reformulado o SNC (Sistema de Normalização Contabilística), na sequência da aprovação da Diretiva 2013/34/EU, do Parlamento Europeu e do Conselho relativa às demonstrações financeiras anuais, às demonstrações financeiras consolidadas e aos relatórios conexos de certas formas de empresas, que altera a Diretiva 2006/43/CE do Parlamento Europeu e do Conselho e revoga as Diretivas 78/660/CEE (Quarta Diretiva) e 83/349/CEE do Conselho (Sétima Diretiva).

A alteração do SNC foi publicada no Diário da República, 2ª série, nº 146, de 29 de julho constando dos avisos nºs 8254 a 8259/2015, os quais incluem a remodelação das NCRF (Normas Contabilísticas de Relato Financeiro do SNC, que entram em vigor para os períodos com início em ou após 1 de janeiro de 2016, em que uma das principais novidades a nível da consolidação de contas/concentração de empresas respeita ao tratamento contabilístico do goodwill, o qual passou a ser amortizado de acordo com a sua vida útil, ou caso esta não possa ser estimada com fiabilidade, em 10 anos. De acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS3), o goodwilll é registado como um ativo sujeito a testes periódicos de imparidade.

Neste livro, que pretende contribuir para a divulgação e aprofundamento da temática da consolidação de contas entre todos aqueles que, quer por motivos profissionais, quer por motivos académicos, têm a necessidade de recorrer às técnicas de consolidação de contas, são apresentados casos práticos com a respetiva resolução baseada nos dois normativos contabilísticos (SNC e IAS/IFRS).

 

 

|  Voltar à página anterior  |  Voltar ao ínicio da página  |